Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > PROTEGER
Início do conteúdo da página


proteger

 

"Programa Proteger: Proteção da Sociedade."

 

 

O Programa Estratégico do Exército de Proteção da Sociedade (PrgEE PROTEGER) é um sistema complexo que visa ampliar a capacidade do Exército Brasileiro de coordenar operações na proteção da sociedade, destacando-se a proteção de Estruturas Estratégicas Terrestres (Infraestruturas Críticas) em situação de crise e o apoio à defesa civil em caso de calamidades naturais ou provocadas, inclusive em áreas contaminadas por agentes químicos, biológicos, radiológicos e nucleares; coordenar a segurança e atuação em Grandes Eventos; realizar operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e Garantia da Votação e Apuração (GVA) em pleitos eleitorais e ações de prevenção e combate ao terrorismo, quando demandada pelo governo federal, entre outras operações subsidiárias.

O PROTEGER é integrado pelo Projeto Sistema de Coordenação de Operações Terrestres (Projeto SISCOT) e pelo Projeto de Proteção Integrada.

O Projeto SISCOT possui uma arquitetura que contempla instalações, viaturas e softwares embarcados que ampliarão a capacidade de planejamento, comando, controle e coordenação da Força Terrestre. Contará basicamente com Centros de Coordenação de Operações (CCOp), fixos e móveis, e o desenvolvimento de um software, denominado INTEGRADOR, que permitirá a integração dos diversos sistemas empregados no planejamento e coordenação de operações.

O Projeto prevê a instalação de um CCOp em Brasília, conjuntamente com o Comando de Operações Terrestres (COTER), Órgão Central do SISCOT. Contempla, ainda, a construção de centros de coordenação e/ou a adaptação dos Centros de Operação (COp) dos Comandos Militares de Área (C Mil A) sediados nas cidades de Manaus, Belém, Recife, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Campo Grande e Brasília, e dos demais Grandes Comandos (G Cmdo) Operacionais de modo a permitir que o referido G Cmdo possa atuar em ambientes interagências, constituindo, neste caso, um CCOp (fixo).

O sistema prevê, ainda, a construção de Centros de Avaliação e Simulação que permitirão ao Sistema Operacional Militar Terrestre (SISOMT), do COTER, melhorar substancialmente a capacitação e adestramento da tropa com a máxima otimização de recursos.

O CCOp Móvel, planejado na dosagem de um por C Mil A, prevê em sua composição treze viaturas de comando e controle (Vtr C2). Ele possibilitará ao G Cmdo as mesmas capacidades cibernéticas dos CCOp fixos. Entretanto, sua mobilidade permitirá atender a um eventual colapso nas instalações fixas ou ainda atuar, em melhores condições, nas regiões de emprego da Força Terrestre, incluindo aquelas atingidas por desastres naturais ou provocados.

O software INTEGRADOR, previsto para desenvolvimento por fases, integrará inicialmente os sistemas de níveis tático e estratégico da Força Terrestre de interesse das operações. Na continuidade, ele contribuirá para a integração com os demais sistemas de comando e controle das Forças Armadas, Forças Policiais e outros órgãos e agências governamentais federais, estaduais, municipais e, ainda, com empresas e instituições civis de interesse, potencializando a atuação de todos num ambiente de operações interagências.

O Projeto Proteção Integrada fornecerá meios, capacitação e adestramento específicos para as tropas integrantes dos G Cmdo operacionais, ampliando suas respectivas capacidades de atuação em missões em proveito da sociedade, prevê, ainda, a aquisição de meios e a capacitação e o adestramento de pessoal para múltiplos e variados empregos, inclusive na proteção de Estruturas Estratégicas Terrestres, em operações de GLO ou GVA, no planejamento e emprego de segurança em Grandes Eventos, no apoio à Defesa Civil, entre outras ações subsidiárias.

O Projeto Proteção Integrada visa, ainda, a reforçar a Força Terrestre com meios específicos para ampliar a sua capacidade de atuação na prevenção e combate ao terrorismo e nas respostas preventivas, tempestivas e oportunas às situações que envolvam o risco de contaminação química, biológica, radiológica e nuclear, mesmo porque tais ações exigem materiais especializados e atuadores especialmente capacitados e adestrados.

 

Fim do conteúdo da página